Camara de Santana de Parnaíba

Sessão da Câmara é interrompida após Tribuna Livre



Publicado em 15/04/2015

A 10ª Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Santana de Parnaíba, realizada nesta terça-feira, 14, além dos requerimentos e indicações, foram apresentados pelos vereadores cinco Moções, a de nº 23, de autoria do presidente do Legislativo, Ronaldo dos Santos, que homenageou o Padre Rafael e a paróquia Bom Pastor, pela Celebração e Procissão da Sexta-Feira Santa; A nº 24, de autoria do vereador Ângelo da Silva de aplausos ao professor de Karatê Bruno Aloísio, em reconhecimento ao trabalho voluntário prestado na ONG Sport Alpha, Projeto Cidadania em Ação; A nº 25, de autoria do vereador Alemão da Banca, em reconhecimento à participação de todos integrantes envolvidos na produção do evento Drama da Paixão de Cristo, realizado durante a Semana Santa no município parnaibano; A nº 26, de autoria do vice-presidente Nequinho Desanti, foi uma manifestação de desagrado contra os serviços prestados pela Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, que acarretou transtornos e prejuízos aos munícipes pela demora na entrega das correspondências e por último foi apresentada a Moção nº 27, de autoria do presidente da Câmara, Ronaldo Santos em conjunto com os vereadores Nequinho Desanti, Dr. Rogério, Guilherme Correia, Gino Mariano, Agnaldo Moreno, Chiquinho Miguel, Régis Salles e Vicente Augusto da Costa, em forma de apelo direto ao prefeito municipal Elvis Cezar objetivando o pronto atendimento à pauta de reivindicações dos servidores públicos municipais, membros da Guarda Municipal Comunitária, Agentes de Trânsito, Operadores de Tráfego, Motoristas e Vigias, que se encontram mobilizados em movimento paredista amparado pelo artigo 37, inciso VII da Constituição Federal. Após a leitura, todas as moções foram aprovadas. Antes de ser apresentada a Ordem do Dia para votação de quatro vetos do poder executivo e um projeto de Lei, foi realizada a Tribuna Livre, espaço durante a sessão onde os parlamentares expressam suas opiniões, teses e ou críticas relativas à cidade. Após oito vereadores terem apresentados seus discursos, o vereador Marcos O Tonho, ao se pronunciar, acabou por se envolver em embate com o público presente, acarretando um princípio de tumulto. Dada a situação, o presidente da Câmara, Ronaldo Santos, preocupado em preservar a integridade dos presentes, encerrou a sessão.